perfeição que incomoda

perfeiçao que incomoda“Não acredito que você está chorando”, “como assim, já é convertido há anos e ainda sofre com esse vício?”, “Ah, se você apenas seguisse esses passos, você com certeza seria curado”, “como é que você ainda está nesse nível?”, “ainda não conseguiu descobrir seu chamado?”….. e a lista continua.

Parece que hoje em dia (provavelmente há séculos) a imperfeição incomoda profundamente a todos, ou talvez seja o contrário, pois é a perfeição que me incomoda mais. Tudo precisa estar no lugar certo, na hora certa e na maneira certa. É claro que eu amo quando eu gabarito uma prova, quando consigo vencer um obstáculo gigante, quando tudo parece estar em plena paz ao meu redor e dentro de mim. Só que a perfeição mesmo eu nunca encontrei ainda nessa vida.

Lidar com as conquistas é fácil, mas lidar com o fracasso é uma arte que parece que nunca nos foi ensinada. Ouvimos desde criança: “Você pode ser quem você quiser ser, basta querer” ou “Você é especial e tem algo lindo que o mundo precisa.” Daí crescemos, e vemos que nosso chefe não vai com nossa cara, nossos colegas são muito mais talentosos/influentes do que nós, que às vezes o dinheiro que esperamos não aparece, que a doença nos pega de surpresa, que nossos relacionamentos não são como os de comédia romântica, e que nosso emocional não cresce na velocidade da nossa idade cronológica.

O fracasso é real. A dor é palpável. A tristeza é tangível. Sim. Tudo isso existe. Só que parece que mais do que fora da igreja, dentro da igreja isso não pode existir. Fico a pensar nas palavras de Jesus: “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” Eu sempre sou tão grata que Ele foi perfeito para me dar vida eterna, mas mais que isso Ele soube navegar as águas da decepção, da fraqueza e da rejeição e sendo humano, venceu.

Vivemos em uma cultura de igreja em que não podemos sofrer, que o fraco é aquele que chora o culto inteiro, que o frágil é aquele que compartilha suas fraquezas, que o inseguro é aquele que não tem as respostas.

Aprendi que em cada sofrimento, eu sou transformada por Ele, eu me torno mais sensível ao meu próximo, perco minhas respostas prontas e me encontro com mais perguntas do que quando comecei. Aprendi que existe sim a beleza na imperfeição, existe sim a força na vulnerabilidade, existe sim a coragem em meio as lágrimas.

Chore o que precisar, desabafe a dor e grite sua frustração. Deixe de lado a roupa da perfeição falsa e veja que está tudo bem, sim, mesmo com tudo desmoronando, está tudo bem. O sol voltará a brilhar, o mar será mais calmo, as flores nascerão novamente – tudo em Seu perfeito tempo.

A vida é um conjunto de ritmos variados, de melodias e silêncios, de vales e montanhas. O que foi conquistado na Cruz por nós não foi uma vida perfeita, mas uma vida inundada de Graça para continuar sem amargura, sem rancor e lutar pelo próximo tempo melhor. Que hoje em nosso coração ecoe sempre as palavras: “Tende bom ânimo. Eu venci.”

-Z.L.

Foto: Obra de arte de Andrew Miller

6 pensamentos sobre “perfeição que incomoda

  1. Texto que emite verdade, que nos faz entender que mesmo com nossas imperfeições nós venceremos através Daquele que venceu primeiro.

  2. Republicou isso em Púrpurae comentado:
    Não conheço absolutamente ninguém, que nunca foi cobrado!

    Desde de pequena ouvia cobranças, algumas nos fazem crescer e algumas nos disciplinam, mas existe sempre aquela que é para te “murchar”, é…digo sobre a síndrome de perfeição! Em casa não foi fácil crescer ouvindo cobranças até mesmo de coisas pequenas como: “você esqueceu a luz acesa”-respondia: “foi sem querer”, “mas não devia, se esquecer”, “mas esqueci”,”não tem essa de, me esqueci” e assim continuava minha luta contra a imperfeição, pois não podia existir erros, não podia existir falhas e ao longo da vida encontrei uma situação que me trouxe o trauma de não poder ser frágil e fraca!

    Muitos irão te cutucar dizendo “como assim você tem Jesus no coração e está triste?”, “não sabe seu chamado”, “não sabe qual faculdade irá fazer?” e muitas outras que nós deixam sem reação e com uma vontade enorme de esconder nossos reais sentimentos!

    Mas existe um único amor que pode nos deixar leve diante dessa caixa de padrões mundanos, Ele me amou primeiro e tive uma grande experiência de poder me libertar do “Vício de agradar os outros” (Livro da Joyce Meyer), foi GRANDE a mudança e a liberdade que me fez crer num florescer em meio dificuldades que nos moldam, nos faz amadurecer!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s